terça-feira, 10 de abril de 2018

“O IEMA mudou meu plano de vida”, diz aluna em entrega de nova unidade por Flávio Dino em Matões

Flávio Dino em inauguração do IEMA em Matões. 
O Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (IEMA) chegou nesta segunda-feira (9) à 11ª unidade plena entregue desde 2015. Desta vez, foi na cidade de Matões, que passa a ter pela primeira vez uma escola da rede estadual com ensino profissionalizante e integral.
Até 2014, o Maranhão não tinha nenhuma escola integral do Estado. Hoje são 40, incluindo o IEMA e os Centros Educa Mais, que oferecem o ensino médio regular.
“É um grande sucesso, mostrando o respeito que a gente tem pela juventude e a crença profunda que temos de que a educação é a principal ferramenta para alcançarmos uma sociedade justa. O IEMA é a síntese de um governo que aplica bem o dinheiro público e que tem prioridades sociais muito nítidas”, disse o governador Flávio Dino durante a inauguração.
O IEMA entregue pelo Governo do Maranhão em Matões recebeu investimento de R$ 10 milhões. Neste ano, serão 160 alunos matriculados numa estrutura moderna e tecnológica.
Projeto de vida
Nova unidade do IEMA.
Com a nova escola, um novo horizonte profissional foi aberto para os alunos da região. Os alunos de Matões puderam conhecer um pouco dessa experiência com dois estudantes da unidade plena de Timon, que já tem turmas no segundo ano. Ambos estiveram em Matões para contar o que têm vivido.
“O IEMA mudou meu plano de vida. Ele ajuda muito na estrutura de quem a gente vai se tornar, porque não adianta só sonhar e não ter quem lhe guiar. O IEMA é esse lugar que te guia. Meu sonho é estudar em Harvard”, disse Joice Santos Sousa.
Também aluno de Timon, Cícero Henrique contou ter tido “experiências maravilhosas” no instituto. “No IEMA, eu formei meu conceito de projeto de vida. Dentro do IEMA, eu comecei a sonhar, a ter um objetivo para os meus estudos. O meu sonho é cursar tecnologia no Japão e eu sei que o IEMA vai ajudar muito nisso”.
Noemi da Silva, que vai estudar em Matões, disse estar ansiosa: “Eu fiquei maravilhada quando entrei aqui. Eu não imaginava que ia ser uma estrutura tão grande como essa”.
Laboratórios
O reitor do IEMA, Jhonatan Almada, explica que o instituto oferece “uma educação integral com a profissionalizante. Além da excelente infraestrutura, o jovem vai poder construir o seu projeto de vida”.
‘É muito gratificante estar aqui’, diz Rayla Alves. 
São 12 salas de aula, 6 laboratórios, 2 laboratórios especiais, auditório com capacidade para 200 pessoas, cozinha industrial, anfiteatro, ginásio poliesportivo, 8 salas de administração, além de um espaço de 5 mil metros quadrados de área verde para a convivência entre os alunos.
“Os laboratórios vão contribuir muito para que os alunos superem dificuldades e rompam barreiras”, diz a professora Camila Gabrielle, de Química.
Para Rayla Alves, “é muito gratificante estar aqui. Antes a gente não tinha um colégio com essa estrutura. Agora, nós vamos ter uma oportunidade de estudo melhor”.
A área total do empreendimento é de 20 mil metros quadrados. São oferecidos os cursos técnicos de Informática, Eletroeletrônica e Agropecuária.
‘É muito gratificante estar aqui’, diz Rayla Alves. 

segunda-feira, 12 de março de 2018

“Agora posso crescer”, diz aluno beneficiado com Cartão Transporte Universitário

Para Marcone, o benefício reduz o custo com transporte, o que ajuda na compra de livros. 
“Agora posso crescer”, diz Marcone Pinto Nina de Sousa, 22 anos, que com a ajuda do Cartão Transporte Universitário percorre, todos os dias, de São Mateus a São Luís, cerca de 170 quilômetros, para poder cursar Direito em uma faculdade da capital.
O cartão, iniciativa do Governo do Estado por meio das Secretarias de Estado Extraordinária da Juventude (Seejuv) e de Direitos Humanos e Participação Popular (Sedihpop), oferece um auxílio semestral de R$ 800 para custear passagens de quem precisa atravessar mais de 100 quilômetros por dia para estudar.
Morador do bairro Veloso, a três quilômetros da sede de São Mateus, onde mora com a família, que se sustenta com um pequeno comércio, Marcone pega estrada às 5h para estar em sala de aula às 8h30. Às 11h30, o estudante volta para a casa.
Entre ida e volta, são cinco horas diárias de traslado cuja recompensa é a perspectiva de um futuro melhor. O benefício estadual com transporte complementa os programas federais ProUni e FIES, que financiam as mensalidades do curso, tornando possível o sonho da formação superior.
Facilidades que o irmão mais velho de Marcone não teve, por exemplo, para a conquista do diploma em Administração, cursado na cidade vizinha Bacabal, há cerca de 10 anos. “Era mais difícil, meu pai tinha um alto gasto com transporte”, lembra.
“Sem o cartão, eu poderia faltar diversos dias por causa da falta de dinheiro para pagar as passagens”, conta Marcone, que está no sétimo período de Direito. “Agora, com o cartão, diminuiu o alto custo que a minha família tinha com transporte e posso comprar livros, investir em outras coisas com relação ao meu curso”, diz o estudante, beneficiário do Cartão Universitário desde 2017.
“Nunca imaginei receber um auxílio como esse. Graças ao governador, que teve a iniciativa de fazer esse programa, ficou muito melhor. Ajuda muito a mim e a minha família”, declara o futuro Bacharel em Direito, que deseja vida longa ao programa estadual. “O programa tem que continuar. Além de mim, tem outras pessoas que precisam ser auxiliadas, que também necessitam do dinheiro”, diz Marcone.
Sobre o benefício
O Cartão Transporte Universitário beneficia 1 mil estudantes com o auxílio-transporte no semestre 2018.1. Deste total, foram reservadas 50 bolsas para alunos do Instituto Estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação (IEMA), conforme a Lei Nº 10691, que instituiu o programa estadual em 2017.
Marcone Nina de Sousa, em sala de aula, no curso de Direito

terça-feira, 6 de março de 2018

Governo do Estado institui ações de enfrentamento a violência contra a mulher

Casa da Mulher Brasileira.
Ações para o enfrentamento da violência contra a mulher, reforço às leis vigentes e projetos direcionados nas áreas da saúde, educação, assistência social e cidadania integram o programa do Governo do Estado de proteção da mulher vítima de violências. O Governo do Estado instituiu mecanismos que fortalecem a rede de assistência, garantindo maior acesso aos órgãos de proteção. Consolidando essa política, nesta quinta-feira (8), Dia Internacional da Mulher, o governador Flávio Dino assina decretos em favor do segmento que possibilitam o debate, a capacitação, o acesso ao atendimento e viabilizam recursos para execução de projetos.
Será formalizado o decreto que institui Grupos de Trabalho Interinstitucionais; de qualificação da Rede de Atendimento à Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar; de instalação do Sistema de Atendimento Integral à Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar; e de regulamentação do Fundo Estadual de Enfrentamento à Violência Contra a Mulher.
O Governo do Estado estabeleceu o Dia Estadual de Combate ao Feminicídio – 13 de novembro. A proposta é, no período próximo a essa data, realizar diversas atividades para sensibilizar e reforçar as ações de proteção e pelo respeito à mulher. “São muitos os esforços da gestão para promover a política afirmativas de enfrentamento contra esta violência de gênero, pela proteção da mulher e no cumprimento às leis em vigor. Estas ferramentas fortalecem e estimulam a mulher a não se calar e denunciar”, pontua a secretária de Estado da Mulher (Semu), Terezinha Fernandes.
As políticas públicas do setor são conduzidas com base no Plano Estadual de Políticas para as Mulheres (PEPM-MA), que serve de norte para o planejamento e monitoramento. O documento para o triênio 2013-2015 já está concluído. O aumento expressivo do número de organismos municipais de políticas para as mulheres nos últimos anos, coloca o Maranhão em posição de destaque no cenário nacional e fortalece a luta contra a violência de gênero, enfatiza a secretária da Mulher.
No conjunto de medida significativas está a criação do Departamento de Feminicídio e da Coordenadoria das Delegacias de Atendimento e Enfrentamento à Violência contra a Mulher (Codevim). As unidades, entregues à população em março do ano passado, integram a estrutura da Secretaria de Estado de Segurança Pública (SSP-MA). Têm como meta qualificar o atendimento à mulher vítima e intermediar processos com os demais órgãos do setor.
A Codevim unificou o trabalho da rede de 20 Delegacias da Mulher. Subordinada à Delegacia Geral, o órgão consolida as estatísticas, capacitação de profissionais, estabelece padrões de atendimento, de fiscalização do trabalho investigativo e promove a unificação das estruturas de Segurança que atuam em defesa da mulher vítima. O órgão é indicado pelo Governo Federal a Estados com mais de 10 delegacias da Mulher. O Departamento de Feminicídio especializou a investigação, dissociando este crime dos demais homicídios e presta suporte ao trabalho das Delegacias da Mulher. O órgão é subordinado à Superintendência de Polícia Civil da Capital (SPCC).
Patrulha Maria da Penha é um policiamento que atua exclusivamente no acompanhamento da mulher vítima de violência. 
Criado em maio do ano passado, a Patrulha Maria da Penha é um policiamento que atua exclusivamente no acompanhamento da mulher vítima. A partir da denúncia na delegacia especializada é solicitada a presença da patrulha para garantir o cumprimento das medidas protetivas. O serviço é coordenado pela coronel Maria Augusta Ribeiro e funciona 24 horas.
Oferecendo atendimento individualizado e acolhimento às vítimas e seus filhos, a Casa da Mulher Brasileira, inaugurada em novembro, funciona no bairro Jaracati. Possui salas de acolhimento, recepção, abrigo de passagem com alojamentos, brinquedoteca e demais dependências. Reúne os órgãos de enfrentamento e atende violência doméstica familiar, casos de estupro e promove o encaminhamento aos órgãos de referência, além de ações de geração de emprego e renda. Imperatriz vai contar com a instituição que já tem prédio definido e está em fase de formação da equipe técnica.
A rede de assistência à mulher se fortaleceu com as medidas implantadas pelo Governo do Estado, avalia a delegada coordenadora da Codevim, Kazumi Tanaka. “São ferramentas para que a mulher que sofre violência possa ser atendida com mais estrutura, condições e respeito. Medidas diretas e de impacto para que as ações de proteção avancem e tenhamos ainda mais resolutividade na condução dos casos. A sociedade e o poder público estão mobilizadas por essa luta”

quinta-feira, 1 de março de 2018

Carlos Brandão prestigia posse do presidente do TST


O vice-governador Carlos Brandão esteve em Brasília nesta segunda-feira (26), para prestigiar João Batista Brito Pereira, eleito presidente do Tribunal Superior do Trabalho para o biênio 2018-2020. Disputada, a posse dos novos dirigentes aconteceu no Plenário Ministro Arnaldo Sussekind, no Tribunal Superior do Trabalho, em Brasília. Além de seu presidente, tomaram posse também Renato de Lacerda Paiva, vice-presidente, e Lélio Bentes Corrêa, corregedor geral.

"Com muita alegria, recebi o convite para participar desta cerimônia. Ela marca mais uma vitória de um homem que trilhou com brilhantismo a sua carreira e muito orgulha o nosso Maranhão", elogiou o vice-governador. 

"Assumir a presidência dessa Corte, a que me vinculo a profundos laços profissionais, é, para mim, uma honra. Recebo o cargo com humildade e ciência da enorme responsabilidade e desafios que tenho pela frente. Sou maranhense, nascido e alfabetizado em um pequenino povoado da minha Sucupira do Norte. Assumo esse Ministério enxergando o desenvolvimento e o fortalecimento da Justiça do Trabalho, tudo na direção da paz das relações de trabalho", rememorou o mais novo presidente do TST, ao narrar aspectos de sua vida que o fizeram chegar à Corte. O presidente também reforçou que priorizará a adequação da jurisprudência da Corte à nova lei trabalhista, que entrou em vigor em novembro de 2017.

Trajetória profissional de João Batista Brito Pereira 

Nasceu em Sucupira do Norte (MA), em 04 de setembro de 1952. Bacharel em Direito formado pelo Centro Universitário do Distrito Federal - UDF. Pós-graduado em Direito Público. Foi advogado militante e consultor na área jurídica de 1982 a 1990. Em 1991, concluiu o Curso de Altos Estudos de Política e Estratégia na Escola Superior de Guerra.

Ingressou no Ministério Público do Trabalho em maio de 1988. Foi promovido procurador do Trabalho de primeira categoria (em agosto de 1988). Promovido, por merecimento, a subprocurador-geral do Trabalho (em 1989), cargo que exerceu até sua posse no cargo de ministro do Tribunal Superior Trabalho, em 31 de maio de 2000.

segunda-feira, 26 de fevereiro de 2018

Comunidade indígena recebe pela primeira vez Dia D Mais IDH

Dia D Mais IDH: Entrega de cisternas para comunidades indígenas de Jenipapo dos Vieiras. 




Setenta e cinco famílias da aldeia Cacimba Velha, no município de Jenipapo dos Vieiras, foram atendidas com as ações do Dia D Mais IDH no último sábado (24). O Governo do Maranhão entregou para a comunidade sete cisternas de 25 mil litros, garantindo água para produção de alimentos e permitindo que as famílias produzam no período de estiagem.
Francisco Guajajara, de 34 anos, explica que a comunidade sofria com a dificuldade de abastecimento. “A gente andava dois quilômetros para pegar água no balde. Agora com a cisterna a gente tem bastante água, só tenho a agradecer por essa oportunidade”, pontuou.
Família indígena contemplada com as ações do Dia D Mais IDH. 


“Este é o primeiro Dia D Mais IDH realizado numa comunidade indígena. Isso mostra o compromisso desse governo de mudança, em que as ações não chegam apenas para a população das sedes dos municípios, mas está chegando também nas comunidades. O Dia D deste evento vem reforçar o trabalho que a gestão vem realizando na garantia de cidadania e direitos”, enfatizou Luciene Dias Figueiredo, secretária adjunta de Extrativismo, Povos e Comunidades Tradicionais da Secretaria de Agricultura Familiar (SAF).
Na oportunidade foi entregue também uma cisterna com capacidade de 52 mil litros de água, beneficiando cerca de 300 alunos que sofriam com a utilização de água salgada.


“Nossos alunos sofrem bastante com o consumo de água salgada. Essa cisterna vai contribuir muito com a qualidade de vida dos nossos alunos. Só tenho a agradecer ao Governo do Estado por esse olhar sensível. Estamos muito felizes”’, declarou Elisângela Oliveira, diretora da escola indígena Anísio Guajajara.
No município de Jenipapo dos Vieiras existem 128 comunidades indígenas, com uma população de quase 8 mil pessoas, é a maior reserva indígena Guajajara do Maranhão.  “Nós temos 95% do território indígena Guajajara aqui no nosso município, então esse olhar sensível do Governo para essa população é muito importante”, pontuou o prefeito Moisés Ventura.
Ao todo estão previstas 175 cisternas para Jenipapo dos Vieiras. Durante o Dia D Mais IDH, o município também recebeu três kits esportivos com 306 itens incentivando a prática de esporte.
                                                                                       
Dia D Mais IDH: Entrega de cisternas para
comunidades indígenas de Jenipapo dos Vieiras. 

Com investimentos de R$ 40 Acesso à Água

milhões, o Programa Cisternas – Segunda Água garante a entrega de cisternas com capacidade de 25 mil litros e vai beneficiar um total de 4.067 famílias maranhenses. Com essa tecnologia social, as famílias podem produzir alimentos em 16 municípios. Além da construção das cisternas, os beneficiários recebem fomento para implantação dos arranjos produtivos com o objetivo de alcançar a plena eficácia do programa.
Dos 16 municípios que serão beneficiados com o Programa Cisternas – Segunda Água, oito estão inseridos no Plano de Ações Mais IDH. Serão beneficiados: Jenipapo dos Vieiras, Itaipava do Grajaú, Marajá do Sena, Belágua, Santana do Maranhão, São Benedito do Rio Preto, Humberto de Campos, Primeira Cruz, Santo Amaro do Maranhão, Paulino Neves, Amarante do Maranhão, Arame, Buriticupu, Nina Rodrigues, Presidente Vargas e Cachoeira Grande.
Como funcionam as cisternas
As águas pluviais são coletadas do telhadão por meio de calhas e armazenadas em cisternas de placas pré-moldadas de concreto, com capacidade de 25 mil litros, que constitui um reservatório cilíndrico e coberto. O reservatório, fechado, é protegido da evaporação, das contaminações causadas por animais e dejetos trazidos pelas enxurradas.
No eixo produtivo, as famílias podem investir no cultivo de hortaliças e na criação de suínos e aves. Esse eixo proporciona autonomia no consumo e geração de renda com a comercialização do excedente em feiras locais ou nos programas de compras institucionais, como o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) e o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE).